Sites Grátis no Comunidades.net Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
Forum de Reuniões, Debates e Participações

Forum de Reuniões,  Debates e Participações  para participar


facebook-FORUM




 5 criterios espirituais para discernir verdades de mentiras


1- Santificação na alma é a chancela do Espírito Santo para confirmar uma verdade - Se em sua alma não ocorrer a santificação desconfie!


2- Exaltação de Cristo - A mensagem verdadeira sempre exalta Jesus, sua pessoa, seu carater, e faz com que adoremos - Qualquer que seja a mensagem que não faça isso desconfie!!!


3- Semelhança com Cristo - A mensagem verdadeira se parece com Jesus, com sua mentalidade. Mensageiros verdadeiros são simples e humildes como Ele.


4- Mesmas Tendencias bíblicas - A mensagem verdadeira traz semelhanças com tendencias gerais bíblicas


5-  Paz no coração . "Seja a paz em vossos corações aquilo que vos ajude a tomar decisões (o vosso arbitro)" Col 3:15


 

Steven Lawson - Uma das melhores Pregações que já assistí !!!

 

Miniatura

 

Paul Washer - Quem está no Controle? (Ezequiel 36:24-27)

 

 

       Paul Washer - O Julgamento de Deus eo Trono Branco  [prévia]

 

  1. Miniatura

 

 

Não é Tanto Culpa das Bilhões de Pessoas ...

 

Certamente vc já se deparou com milhares de verdadeiras guerras em torno do assunto lei versus graça, velho versus novo testamento, velha aliança versus nova aliança.

Evangélicos e Adventistas, anti-leis versus defensores da lei, judeus e gentios e até apóstolos se engalfinham quanto a este tão dificil assunto. Quem já não presenciou tanto na internet quanto na vida real pessoas discutindo esse assunto?

 

 

 

Conclusões

 

Concluimos que a guerra entre defensores da lei e do continuismo do judaismo versus defensores da graça , do espirito santo guiando cada convertido salvo é tão antiga quanto a Bíblia.

Que os apóstolos não resolveram plenamente esta questão e por causa dela Paulo perdeu a vida, ao ser denunciado pelos cristãos judeus de Jerusalem, por mais que tentasse fazer as pazes com os judeus cristãos levando consigo dois rapazes de cabeça rapada e circuncidados.

Que Thiago não compreendeu Paulo e o esteve refutando claramente em sua carta.

Que Paulo condena os judaizantes e exalta como superior a sobreexcelente gloria do ministerio do cristianismo (Cristo em nós). (II Corintios 3, Hebreus, etc)

Que havia um evangelho destinado a judeus (contendo a lei) e outro evangelho destinado a gentios (sem lei). Onde entendemos que Deus respeitou a cultura mosaica (Moisés) dos Judeus.

Que Deus abençoou mais a Paulo por estar mais entendido e aceito o evangelho e as novidades que Cristo trouxe, mesmo estando ainda sob a velha aliança e ministrando aos circuncisos judeus.

Que a salvação pela fé na justiça do sangue de Jesus, na punição vicaria, na justiça imputada e concedida a cada crente, seja ele com lei ou sem lei judaica, é a grande revelação graciosa dos céus destinada a nós, bem como todo o amor e interesse divino em nos salvar de nossos pecados pela dádiva incomparável de seu Filho como oferta pelo pecado, destinada a receber a ira divina pelo pecado no lugar daqueles que não hão de receber a ira do cordeiro e de Deus no apocalipse.

Ficamos com Paulo e com a cruz de Cristo, com o evangelho aos gentios, no qual consideramos as iniciações judaicas como elementares e básicas.

Quanto ao sábado e a lei, acreditamos no movimento adventista que entenderia o livrinho selado de Daniel e alarmariam ao mundo sobre a audacia da ponta pequena (papado) de mudar a velha e básica lei dos judeus e judeus cristãos. Este movimento pregaria sobre a hora do juizo e sobre a necessidade de  adoração ao Criador no fim dos dias. Apocalipse 14

este movimento caiu em judaismo por defender estas novidades proféticas e teve uma re-evangelização em 1888, estando aberto a mudanças desde então (Morris Venden , Bullon), e que chegando em seu Ômega (fim), passaria por uma grande transformação e sacudidura que precederia um derramar do Espírito Santo (Chuva última serôdia), no fins dos dias, os quais cremos se tratar de hoje!



 

 

Lei em Jesus (Mat 5) VERSUS Lei em Paulo

 

Thiago é mesmo uma epistola de palha? (como se referiu Lutero), e o sermão do monte exaltando a validade eterna da lei em franco contraste com Paulo???

No livro de Gálatas percebemos um verdadeiro BARRACO de Paulo contra os legalistas, inclusive apostolos respeitados...O que estava acontecendo na Igreja cristã naqueles dias que repercute em grande parte nas discussões atuais???

Thiago versus Paulo

Mateus 5 exaltando a lei versus Paulo

 

Quero dar minha humilde opinião a respeito com o objetico de trazer  um pouco de  paz sobre os contendedores que não é tanto culpa de vcs que essa guerra atinja tantas pessoas!

Engraçado que estou escrevendo um livro de ciências entitulado "Pontes de diálogo entre o evolucionismo e o criacionismo bíblico" onde faço quase a mesma coisa, demonstrar que existem falhas e acertos nos dois lados opostos e que uma vez entendidas, diminui-se bastante a guerra, instalando um pouco mais de paz,   melhor compreensão e comunicação entre os oponentes., mostrando que eles nem deveriam ser tão opostos assim


A despeito de toda rejeição a velha aliança e a lei que o apostolo Paulo explica, e Jesus tb ao dizer que a lei e os profetas DURARAM até joão...a despeito de todos os argumentos que existem contra a lei denunciando seu ministerio como ultrapassado, caduco, prestes adesaparecer, envelhecido, etc...

Lemos no sermão da montanha esta recomendação de Jesus em favor da lei, em Mateus 5, em franca contradição com o que nos recomenda a outra linha da nova aliança.

E a recomendação da lei em Cristo tem carater universal e atemporal atingindo em abrangencia até os ceus!!!

Então dá um nó na cabeça e tento equilibrar estas posições conflitantes.

Chego até pensar que Mateus fora escrito bem depois de Gálatas, destacou-se opiniões de Jesus, o verbo de Deus, quanto a lei, que equilibrassem o que Paulo, em periodo anterior de transição entre o judaismo e cristianismo, talvez teria exagerado.

Por isso estou buscando  opiniões de estudiosos e pessoas inspiradas, pois vejo que muito da guerra que existe entre defensores da lei e abolidores dela, não são culpa das pessoas em si, mas é um problema bíblico, que para mim, é infelizmente, um tanto quanto dificil de conciliar.


Bom, o objetivo deste artigo  é ESCLARECIMENTO BIBLICO, pois percebo que INDEPENDENTE DA GUERRA que existe entre  adventistas e vice-versa, a Bíblia traz realmente  pontos dificeis de se reconciliar. Não é toa que Pedro, declarou que as cartas Paulinas tem coisas dificeis de se entender , e posso imaginar até, que Paedro estivesse falando, "dificeis de engolir" , sobretudo para a cultura judaica que estava sendo aos poucos absorvida pelo cristianismo, mas ainda carregava toda a carga cultural centralizada na lei e na forma antiga de pensar.

 Algumas linhas que faço sugestão são:


1. Paulo diferencia o ministerio aos judeus do minsterio aos gentios
2. A reinterpretação de Cristo dada a lei, permite uma reinterpretação do descanso sabatico que ocorre em hebreus 4 dizendo que Jesus é o descanso de Deus
3. A Salvação tem que ver com a justiça em Cristo na cruz e nada que ver com a obsvervancia a lei, porem os livres e salvos obedecerão prazerosamente a Cristo, inclusive na sua forma como seguiu a vontade plena do Pai, onde se inclui os mandamentos. Assim se gloriarão na cruz e não na lei, porem não DESPREZARÃO a vontade de Deus, por menor que ela seja, incluindo o adorar ao criador no sabado
4. Nosso foco não deve ser a lei, mas tê-la como um ministerio glorioso passado e que ensina o beabá da vontade divina


adventistas trabalham aos sabados em casos emergenciais numa boa..nasci na igreja e canso de ver isso, mas isso não seria problema, estariam assim dentro do esquema de Jesus revelado em Mateus (que é o evangelho destinado ao publico judeu)

O que ando percebendo é que parece existir uma GUERRA na propria biblia em torno da lei tb.

Quando Paulo alega que alguns dos apostolos não lhe acrescentou nada e "se eles foram outrora alguma coisa" não lhe interessava...

a GUERRA entre Thiago versus Paulo quanto a lei

Hoje mesmo olhei lucas..vejam só, ele acaba de dizer que lei durou e depois, logo em seguida, fala da eternidade da lei, parece texto inserido, claro que devo estudar mais um pouco, mas é isso que percebi..dêem uma olhada em lucas 16:16 e 17


A lei e os profetas duraram até João; desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele.

LOGO EM SEGUIDA O TEXTO É CONTRADITO

E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei.

então penso que , muitas de nossas guerras hoje existiam no passado, e na Bíblia podemos ver centenas de rastros delas.

Ou seja, eu pelo menos não vou incentivar ninguem a ficar brigando por este assunto que me parece não estar bem esclarecido, exceto se eu cortar parte da Biblia, assim como ocorre com outros

 O  aspecto do desprezo da  lei em Paulo versus defesa lei em Cristo (bem mais explícita  no evangelho de Mateus que fora escrito depois de Gálatas em meio a contenda,  diferenças e indefinições  entre quem pregava a judeus e quem pregava  a gentios- Gálatas).


No livro de Atos capitulo 15 nos mostra que sta guerra entre defensores da lei e da continuidade do judaismo, versus defensores de um evangelho denominado "da graça" sem lei, aos gentios, é antigo. Leia, desta vez,  com mais atenção a palavra de Deus em Atos 15:



 

Atos 15

  

 

Então alguns que tinham descido da Judéia ensinavam assim os irmãos: Se não vos circuncidardes conforme o uso de Moisés, não podeis salvar-vos.

Tendo tido Paulo e Barnabé não pequena discussão e contenda contra eles, resolveu-se que Paulo e Barnabé, e alguns dentre eles, subissem a Jerusalém, aos apóstolos e aos anciãos, sobre aquela questão.

E eles, sendo acompanhados pela igreja, passavam pela Fenícia e por Samaria, contando a conversão dos gentios; e davam grande alegria a todos os irmãos.

E, quando chegaram a Jerusalém, foram recebidos pela igreja e pelos apóstolos e anciãos, e lhes anunciaram quão grandes coisas Deus tinha feito com eles.

Alguns, porém, da seita dos fariseus, que tinham crido, se levantaram, dizendo que era mister circuncidá-los e mandar-lhes que guardassem a lei de Moisés.

Congregaram-se, pois, os apóstolos e os anciãos para considerar este assunto.

E, havendo grande contenda, levantou-se Pedro e disse-lhes: Homens irmãos, bem sabeis que já há muito tempo Deus me elegeu dentre nós, para que os gentios ouvissem da minha boca a palavra do evangelho, e cressem.

E Deus, que conhece os corações, lhes deu testemunho, dando-lhes o Espírito Santo, assim como também a nós;

E não fez diferença alguma entre eles e nós, purificando os seus corações pela fé.

Agora, pois, por que tentais a Deus, pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós pudemos suportar?

Mas cremos que seremos salvos pela graça do Senhor Jesus Cristo, como eles também.

Então toda a multidão se calou e escutava a Barnabé e a Paulo, que contavam quão grandes sinais e prodígios Deus havia feito por meio deles entre os gentios.

E, havendo-se eles calado, tomou Tiago a palavra, dizendo: Homens irmãos, ouvi-me:

Simão relatou como primeiramente Deus visitou os gentios, para tomar deles um povo para o seu nome.

E com isto concordam as palavras dos profetas; como está escrito:

Depois disto voltarei, E reedificarei o tabernáculo de Davi, que está caído, Levantá-lo-ei das suas ruínas, E tornarei a edificá-lo.

Para que o restante dos homens busque ao Senhor, E todos os gentios, sobre os quais o meu nome é invocado, Diz o Senhor, que faz todas estas coisas,

Conhecidas são a Deus, desde o princípio do mundo, todas as suas obras.

Por isso julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a Deus.

Mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue.

Porque Moisés, desde os tempos antigos, tem em cada cidade quem o pregue, e cada sábado é lido nas sinagogas.

Então pareceu bem aos apóstolos e aos anciãos, com toda a igreja, eleger homens dentre eles e enviá-los com Paulo e Barnabé a Antioquia, a saber: Judas, chamado Barsabás, e Silas, homens distintos entre os irmãos.

E por intermédio deles escreveram o seguinte: Os apóstolos, e os anciãos e os irmãos, aos irmãos dentre os gentios que estão em Antioquia, e Síria e Cilícia, saúde.

Porquanto ouvimos que alguns que saíram dentre nós vos perturbaram com palavras, e transtornaram as vossas almas, dizendo que deveis circuncidar-vos e guardar a lei, não lhes tendo nós dado mandamento,

Pareceu-nos bem, reunidos concordemente, eleger alguns homens e enviá-los com os nossos amados Barnabé e Paulo,

Homens que já expuseram as suas vidas pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo.

Enviamos, portanto, Judas e Silas, os quais por palavra vos anunciarão também as mesmas coisas.

Na verdade pareceu bem ao Espírito Santo e a nós, não vos impor mais encargo algum, senão estas coisas necessárias:

Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição, das quais coisas bem fazeis se vos guardardes. Bem vos vá.

Tendo eles então se despedido, partiram para Antioquia e, ajuntando a multidão, entregaram a carta.

E, quando a leram, alegraram-se pela exortação.

Depois Judas e Silas, que também eram profetas, exortaram e confirmaram os irmãos com muitas palavras.

E, detendo-se ali algum tempo, os irmãos os deixaram voltar em paz para os apóstolos;

Mas pareceu bem a Silas ficar ali.

E Paulo e Barnabé ficaram em Antioquia, ensinando e pregando, com muitos outros, a palavra do Senhor.

 

 

Conclusões

 

Concluimos que a guerra entre defensores da lei e do continuismo do judaismo versus defensores da graça , do espirito santo guiando cada convertido salvo é tão antiga quanto a Bíblia.

Que os apóstolos não resolveram plenamente esta questão e por causa dela Paulo perdeu a vida, ao ser denunciado pelos cristãos judeus de Jerusalem, por mais que tentasse fazer as pazes com os judeus cristãos levando consigo dois rapazes de cabeça rapada e circuncidados.

Que Thiago não compreendeu Paulo e o esteve refutando claramente em sua carta.

Que Paulo condena os judaizantes e exalta como superior a sobreexcelente gloria do ministerio do cristianismo (Cristo em nós). (II Corintios 3, Hebreus, etc)

Que havia um evangelho destinado a judeus (contendo a lei) e outro evangelho destinado a gentios (sem lei). Onde entendemos que Deus respeitou a cultura mosaica (Moisés) dos Judeus.

Que Deus abençoou mais a Paulo por estar mais entendido e aceito o evangelho e as novidades que Cristo trouxe, mesmo estando ainda sob a velha aliança e ministrando aos circuncisos judeus.

Que a salvação pela fé na justiça do sangue de Jesus, na punição vicaria, na justiça imputada e concedida a cada crente, ´seja ele com lei ou sem lei judaica, é a grande revelação graciosa dos cues destinada a nós, bem como todo o amor e interesse divino em nos salvar de nossos pecados pela dádiva incomparável de seu Filho.

Ficamos com Paulo e com a cruz de Cristo, com o evangelho aos gentios, no qual consideramos as iniciações judaicas como elementares e básicas.

Quanto ao sábado ficamos concluimos o que concluiu Calvino. 

Colossenses 2:16 e 17 e Hebreus 4 nos fala que o sábado foi figura do descanso em Cristo. Galatas reclama de que os crentes ainda guardavam dias, meses, tempos e anos e Romanos 14 manda que haja respeito com diferenças quanto a guardar dias por parte de quem guarda e por parte de quem não guarda - ninguem deve julgar ninguem por guardar ou não dias.

Buscamos algumas soluções que possam sintetizar estas questões, entre elas encontramos em Calvino a seguinte:

Antes de sabermos deste comentario de Calvino, defendiamos algo parecido: 

Comentário de Calvino a Gênesis 2.3 (escrito dois anos após a última edição de suas Institutas):

“Quando ouvimos que o sábado foi ab-rogado pela vinda de Cristo, devemos distinguir o que pertence ao governo perpétuo da vida humana e o que pertence propriamente às figuras antigas. O uso destas foi abolida quando a verdade foi cumprida. Descanso espiritual é a mortificação da carne ao ponto de que os filhos de Deus não devem viver para si mesmos ou permitir livremente as ações de suas inclinações. Assim, na medida que o sábado era uma figura desse descanso espiritual, eu digo que isso foi somente por um tempo.

-------> Mas, na medida em que foi ordenado aos homens, desde o início, de que eles deveriam se engajar no culto a Deus, é legítimo que o sábado cristão deva continuar até o fim do mundo. O sábado é uma ordenação da criação que é perpétua”.
.
Ou seja

.

Sábado como descanso se cumpriu em Jesus (heb 4, col 2:16)
Sábado como chamamento para adoração ao Criador -> continua! apocalipse 14:6

Apesar de Paulo em Romanos 14 ordenar que quem não faz diferença entre dia e dia não julgar quem o faça e quem faz não julgar quem não faz, adventistas e evangélicos parecem fazer questão de não obedecer.

 

Apesar de entendermos que resolvemos esta questão, creio que ela vai mais longe quando deparamos com a mesma idolatria ao sábado que os judeus faziam. Esquecemos de muitas coisas muito mais importantes do evangelho e focamos o sabado como algo que deva ter a consideração máxima que damos. E tanto, que em vez de seguirmos a jESUS QUE DISSE QUANTO AO SÁBADO, "MISERICORDIA QUERO E NÃO SACRIFICIOS"  ficamos culto após culto dando testemunho de sacrificios pela fidelidade ao  sábado.

 

Que Jesus nos ilujmine!!! Amém

 

 

 

 

 

 

 




 
Uma vez citei que Jesus deu exemplos emergnciais de cura aos sábados assim:
 
 
Porque Jesus deu exemplos emergenciais?
de trabalhos aos sábados

tipo...


1. Não é toda hora que cai uma ovelha no buraco - caso emergencial
2. Não é toda hora que aparece um exercito com fome - caso emergencial


Qual era portanto a teologia de Jesus com respeito a lei e ao sabado? (mateus 5)

Como conciliar Jesus com Paulo (galatas), quanto a substituição do mministerio focado na lei, para o ministerio focado nEle pelo Espirito Santo?

Recebi entre as poucas respostas, uma interessante do professor Amin Rodo:

Caro amigo,
 
Nenhum das curas de Cristo aos sábados, era caso de emergência.
 
Propositadamente Jesus utilizou estas oportunidades para corrigir e
desafiar  as distorções do judaísmo quando a observancia do dia santo.... Note,
em todos os casos, a questão não "se o sábado é ou não o dia de
repouso," mas "como o dia de repouso deve ser observado."
 
Aquilo que deveria ser "santo e deleitoso" (Isa. 58:13), fora transformado
em um fardo, e foi parte da missão de Jesus, restabelecer tanto o sábado
como o casamento à sua intencionalidade original (Como Ele diz acerca do
último, "No principio não era assim".)
 
Fraternaomente,
 
A.Rodor

 

 
 
 Apesar dos emergenciais, posso entender que suas curas não eram emergenciais, pois que ele as poderiam ser feitas  em outro dia qualquer...mas alguns dos seus exemplos justificando as mesmas, ou o colher milhos,  eram quase todos emergenciais e/ou tambem revelavam que o tempo do sábado não deve impedir necessidades maiores ou emergentes que possam acontecer. Realmente ele estava aliviando o fardo sabatico que os judeus impunham em sua interpretação letrista sem o espírito da lei e do sábado em maior conta. Corrigindo assim a errônea recepção da velha aliança da lei feita pela religião judaica.
 
Porém Paulo nos parece que  não veio corrigir esta errônea recepção da lei, como podemos fazer destacando erros do judaismo, as cartas paulinas me leva a crer  que Paulo  veio pregar , pelo menos aos gentios, uma SUBSTITUIÇÃO  do velho pacto pelo novo pacto da aliança do espírito. Ou seja, a correção fora feita por Cristo, a substituição fora pregada na santa ceia celebrando a nova aliança e explicitada por Paulo em suas cartas.
 
Porém, dada as caracteristicas das recomendações de Cristo a lei, e suas ordens eternas, fica o questionamento:
 
1- Mateus, o evangelho pregado aos judeus , teria que ser diferente mesmo daquele pregado aos gentios? E se sim, como isso se aplicaria hoje?
2- Fora destacada esta defesa da lei em Cristo em Mateus como resposta ao que Paulo havia feito décadas antes lançando desprezo ao velho , caduco, provisorio , caminho, aliança???
3-Sabemos que os evangelhos foram escritos décadas depois da morte de Jesus e que o assunto da transição judaismo->cristianismo estava perturbando muito os teólogos da época. Definir o que continuava e o que descontinuava era e ainda é hoje um desafio. Até que ponto a memoria humana na transmissão da palavra do verbo de Deus fora unilateral quanto a questão, uma vez que os outros evangelhos omitem tal  defesa da lei em Mateus em franco contraste com  quase todas as cartas paulinas escritas anteriormente?

As respostas para estas indagações serão postas aqui, que Deus nos abençoe a todos, a não ficarmos brigando por coisas dificeis de se harmonizar, mas tentarmos ao máximo entender o outro lado.

É certo que ambos os grupos defensores da lei e abolidores dela erram crassamente em seu calor por defender suas teses, mas tambem acertam. O pior é quenaod vemos que os dois acertam, talvez os da lei menos que os da graça, esta é minha opinião. Mas os da graça tambem erram muito em não cpompreender que na propria Biblia este assunto é disputado, contradito e indefinido quando comparamos Mateus 5 , thiago (a epistola de Paulo que Lutero xingou) ..inclusive queria saber sobre a opinião de Lutero sobre esta contradição, teria ele algo a nos dizer?

Bom , que Deus nos abençoe nesta caminhada e que antes de morrermos possamos compreender um pouco mais a palavra de Deus pelos fragmentos de sua palavra aqui deixados a nós mortais, que estes fragmentos possam ser esclarecidos a luz do Espírito Santo, aos humildes de espirito e que dizem ser Jesus tudo e eles nada. Amém

 


 

 

 

 

Contraste entre Nova Aliança e Velha aliança – Baseado principalmente em II Corintios 3

 

Fé-Nova Aliança- Justiça pela fé

Lei-Velha Aliança-Justiça pelas Obras

DDD

Ministerio do Espírito –( II Corintios 3)

Ministerio da Lei

Sobrexcelente Gloria – Espírito

Glorioso – Lei de Moisés

Creia e viverá

Obedeça e viverá

Filho Pródigo mais novo (Lucas 15)

Filho Mais velho obediente

Audaciosos e impulsivos

Burocratas e Metódicos

Busca mais abraçar pecadores e perdoá-los

Mais condena pecadores e os ameaça

Mais Convertidos

Mais Convencidos

Inovadores e Criativos

Cuidadosos e Tradicionais

Isaac, filhos da promessa

Ismael, filhos do direito

Sara perseguida (Gálatas)

Hagar perseguidora

Jesus como referencia (Gálatas 3)

Aio-lei como referencia

Espirito Santo guiando

Tutor-lei-praxes guiando

Misericordia

Implacabilidade, rigidez, justiça e falta de perdão

Ministerio da Vida

Ministerio da Morte

Mais Perdão

Mais Condenação

Profundo

Rudimentar e raso

Eterno

Básico-provisorio-introdutorio-iniciante

Ensinos e vida de Jesus

10 mandamentos e temas focados neles

Maria

Marta

Contempla mais o Pecador que se arrepende

Contempla mais ao que se esforça

O céu interessado na Terra

A terra com medo dos céus

 

 

 

 

Contraste entre perversões que ocorrem quando se vive erroneamente a Nova Aliança e quando se vive mais na Velha aliança

Fé-Nova Aliança- Justiça pela fé

Lei-Velha Aliança-Justiça pelas Obras

 

Fazem da graça Libertinagem (Judas tadeu 9)

Fazem da lei rigidez religiosa

Jesus deixa de ser libertador e se torna conivente

A lei e o conhecimento dela liberta e santifica

Vangloria de fé sem obras condizentes (Thiago)

Obrigar e impor aos demais sua norma de justiça- Julgamento por atos exteriores dos outros

Pecadores auto-suficientes na graça que não se arrependem

Manipulação de leis e cargos na igreja tendo em vista fofocas de transgressões de outros

Inconsequencia devido uso extremo de liberdade

Falta de entendimento de circunstancias onde se deve transgredir leis

Muito dependentes do Espírito –fanatismo

Tradicionalismo e conservadorismo

Bondade excessiva não bem refletida

Perseguir os filhos da graça

Achar que não tem que lidar mais com culpa

Intenso sentimento de culpa, depressão e auto-flagelo

Idolatria da liberdade

Idolatria dos dez mandamentos

Idolatria do pastor Bullón, Venden, justificação pela fé e pregadores afins

Idolatria de lideres religiosos semelhantes

Rejeição de EGwhite e ênfase em seus erros

Idolatria de EGwhite

Banalização dos personagens bíblicos

Idolatria de personagens bíblicos como quase santos e portanto merecedores da graça divina.

 

  Igreja Adventista da Nova Aliança pretende ser a ponte entre evangélicos e adventistas em geral, petende ser uma igreja  interna para transformação da Igreja Adventista do Sétimo Dia, bem como transformação de todos aqueles que buscam como o apóstolo Paulo, sair de uma mentalidade da velha aliança, centralizado em regras, para uma mentalidade de relacionamento com Jesus por meio do Espírito Santo, centralizado na comunhão.

 

Todos sabemos de muitas falhas que temos em nossa teologia e cultura como adventistas e todos tem reconhecido que o mundo evangelico, apesar de ter  falhas, tem se acertado bem mais quando o assunto é fé, cruz, sangue de Jesus, imitar e viver o novo testamento com dons espirituais, expulsão de demonios, milagres e uma vida com revelações e guias sobrenaturais do Espírito Santo.

 

Na Igreja Adventista, os colportores tem sido os crentes mais espirituais que relatam as experiências mais sobrenaturais entre nós, portanto, eles são como um símbolo do cristianismo que deveremos buscar perseguir.

 

No meio adventista o movimento em prol da fé, do novo testamento e da descida do espirito santo,  tem ocorrido desde sua fundação. Aqui no Brasil, Deus usou principalmente o pastor Bullon para renovar a velha  mentalidade da nova aliança em meio adventista que,  devido a função profética de pregar a lei e o sábado, Daniel 7:25,  acabou ficando centrada demais nestes detalhes que apenas fazem parte do evangelho e não são o artigo principal.  Nos EUA,  temos o pastor Morris Venden, e antigamente houveram Jones e Waggoner que se expressaram com grande apoio inclusive de EGWhite.  mas famosas assembleias de  1888, em Mineápolis, a mensagem da nova aliança do sangue que nos justificou uma vez por todas na cruz!

 

A mensagem da graça divina e do significado do sangue de Jesus é maravilhosa e pode realmente transformar nossa vida para uma vida poderosa,  plena, amorosa, justa  e misericordiosa. 

 

Concentrar nossas atenções no evangelho da cruz é nosso principal objetivo, pois o sangue da nova aliança precisa ser derramado sobre nosso entendimento, pelo espirito, para se façam as reformas necessarias primeiramente em nossas proprias almas.  

 

Amar é tudo, é o resumo de tudo,  e para o amor acontecer dentro de nós, precisamos da cruz, da graça, do sangue, da justiça de Jesus, precisamos receber perdão e dar perdão, graça e paz!!!